Relatos

Sobre namoros a distância

A coisa mais comum de se ouvir quando se trata de relacionamentos à distância é “ah, nunca vi isso dar certo”, ou “nunca que vou namorar a distância, isso não é pra mim.” Frases que eu também falava. Até conhecer uma menina de São Paulo e em menos de um mês eu estar dentro de um ônibus por umas 15 horas pra conhecê-la. Um dia depois, lá estava eu descobrindo as vantagens e desvantagens de um relacionamento à distância.

A premissa pra um relacionamento à distância dar certo é o mesmo que faz qualquer relacionamento dar certo: os dois quererem e estarem dispostos a isso. Claro que quando se tem centenas ou milhares de quilômetros de distância entre os dois seres apaixonados, algumas coisas mudam. E lembrando também que cada caso é um caso e cada pessoa lida melhor ou pior com a distância. Tem gente que simplesmente não consegue, e você tem que entender isso.

Mas infelizmente não mandamos nos nossos próprios corações e nem sabemos por quem ou em qual cidade desse Brasil ou do mundo vamos nos apaixonar não é mesmo? Podemos passar um final de semana em uma outra cidade e voltar fazendo juras de amores eternos. E é aí que vem o terceiro elemento da relação: a distância. E junto com ela, um objetivo em comum: eliminar a distância o máximo possível. A não ser que alguém deseje de fato por algum motivo ter um relacionamento à distância (nunca vi, mas vai que né), a distância é um problema. Que casal que não gostaria de ir ali em outro bairro e em menos de meia hora já estar acompanhado debaixo de um lençol, não é?

Então, daí surge um fato importante e que impossibilita muitos de poderem viver esse amor distante: ter condições de viajar, ou quando possível, mudar de cidade. Tendo a premissa de que um quer ver o outro, você terá que conciliar seu trabalho, sua família e seu dinheiro pra poder concretizar isso. Você vai decorar todos os feriados do ano e viverá numa eterna contagem regressiva pra poder ver aquela pessoa. Eu tive sorte por ter namorado alguém de São Paulo (já que são bem constantes as promoções e passagens pra lá). Mas já gostei de gente de mais longe também, e o fator preço de passagem impossibilitava visitas mais frequentes.

Mas acreditem, distância física é muito menos pior do que uma distância sentimental. Do que adianta ter alguém do seu lado que te trate com frieza, que você não sinta nenhuma conexão, que não te acrescenta nada? Namoro à distância não significa de que a distância sentimental também vai acontecer como consequência. Como disse e grifei ali em cima, é só os dois quererem e estarem dispostos a fazer dar certo.

Use a tecnologia à seu favor:

Caso você aí esteja namorando à distância nesse momento, seja grato por uma coisa: viver em pleno século 21, num mundo dinâmico e tecnológico. Pare e pense como eram os relacionamentos à distância em séculos passados, sem WhatsApp, Skype e internet. Mandar uma carta e só saber que a outra pessoa recebeu quando você recebesse uma resposta vinda em outra carta. Coisa que poderia demorar meses pra acontecer, se realmente acontecesse.
Então, lembre-se disso e use a tecnologia à seu favor. Converse, mande mensagens inesperadas, elogie, separe um dia da semana pelo menos pra se verem por Skype! Façam coisas juntos mesmo separados. Eu gostava muito de ver filmes “juntos”. Passe o link do filme pra pessoa, falem 1,2,3 e deem o play ao mesmo tempo! Faça isso com filmes ou com música. Jogue algo junto com a pessoa!
No meu primeiro namoro fiz a pessoa jogar tibia (relevem) junto comigo e sempre recebia pelo correio do jogo fotos, biscoitos que ela mesmo fazia, sempre acompanhados de cartões com corações estampados… São essas pequenas coisas que te fazem esquecer um pouco dos quilômetros que te separam da outra pessoa. Isso tudo ajudou muito no meu caso, fazendo da distância uma coisa secundária. Conversávamos sempre que possível, víamos filmes, jogávamos, nos víamos por Skype, mandávamos cartas também! Mande cartas!!

Qual a última carta que você enviou ou recebeu de alguém? Eu te garanto que a sensação é a mesma de receber aquele pedido que você comprou pela internet.

A primeira que mandei, antes mesmo da gente começar a namorar foi um desenho que fiz dela, junto com um pingente com o nome dela que um hippie me deu. Tanto dar quanto receber cartas e presentes te dá aquele friozinho na barriga. Você não precisa saber desenhar pra mandar um desenho, nem saber escrever bem pra escrever algo. Qualquer coisa conta e a sensação de receber coisas como essas aí embaixo são muito boas pra qualquer relação:

DHEsx7ZW0AAso1r
Lembre-se sempre dessa mensagem!
zAuQCch6
Ter fé e ver coragem no amor

 

Um outro exemplo pra incentivar vocês é de uma amiga que viajou pra Paris pelo Ciências Sem Fronteiras, conheceu um carinha muito legal, passaram alguns meses juntos e tudo mais. Quando ela voltou, até achou que não continuariam juntos, mas aí ele quis. E ela também. Se deu certo? Vê aí:

 

 

 

 

Então, sim, relacionamento à distância também dá certo e também tem finais felizes.

E na hora que você tiver com a pessoa do seu lado, é a hora de ver se aquilo está valendo a pena. O lado bom disso tudo é que você aproveita muito mais todo segundo que você passar com aquela pessoa. Os abraços são mais fortes, os beijos são mais longos. A última noite é aquela que você se esforça pra não dormir só pra ficar conversando/olhando a pessoa.

Sempre que estou viajando vejo que em aeroportos e rodoviárias os beijos são mais intensos. Depois do beijo, um ‘até logo’ e lá se começa novamente uma outra contagem regressiva.

Por fim, antes de começar um, avalie se é isso mesmo o que você e a outra pessoa quer, se os dois estão dispostos a se esforçar pra se ver e manter contato, se os dois conseguem lidar com a falta física um do outro. Converse sempre, em qualquer situação e em qualquer relacionamento que você tiver. Quando você não está vendo a outra pessoa na sua frente, isso aumenta as chances de você mal interpretar a outra e criar paranoias na sua cabeça que muitas vezes não fazem sentido. Confie no seu parceiro/a. Se você não tiver confiança, não comece um relacionamento à distância. Sua vida vai acontecer aqui e a vida da pessoa vai acontecer lá. Os dois vão sair com amigos e amigas, vão trabalhar, vão estudar e consequentemente conhecer pessoas novas. Se a cada saída você criar paranoias na sua cabeça e acreditar nelas, isso vira uma bola de neve e o fim você já sabe… então converse sempre sobre o que te incomoda, tire suas dúvidas, fale como você está se sentindo. E esteja sempre aberto a ouvir também.

Uma pessoa que mora longe pode ser muito mais presente na sua vida do que várias que moram perto. Lembre-se disso, arrisque, confie e aproveite cada segundo! Dando certo ou não, curta o momento e boa sorte!

Um comentário em “Sobre namoros a distância”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s